FUTEBOL BRASILEIRO: Gylmar dos Santos Neves segue em estado grave após sofrer infarto.

GYLMAR EM UM JOGO EM SANTOS, NA VILA BELMIRO
SÃO PAULO - Gylmar dos Santos Neves, de 83 anos, segue internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde a última segunda-feira, após ter um sofrido um infarto. O ex-goleiro, campeão mundial com a Seleção Brasileira nas Copas de 1958 e 1962, teve piora no estado de saúde, que já era considerado grave. O hospital divulgou um boletim médico às 13h20m informando uma infecção sistêmica (que atinge grande parte do organismo) e infecção urinária. Gylmar sofreu um AVC (acidente vascular cerebral) em 2000, desde então sofre com problemas de saúde. 
Confira abaixo a íntegra do boletim médico.
"O Sr. Gylmar dos Santos Neves está internado no Hospital Sírio-Libanês (HSL), em São Paulo, desde o último dia 08/08, devido a infecção urinária e infarto agudo do miocárdio.
"Gylmar já apresentava sequela de acidente vascular cerebral (AVC) e insuficiência cardíaca.
"O paciente permanece internado em estado grave, tendo como complicação infecção sistêmica.
"Gylmar dos Santos Neves está sendo atendido pelas equipes dos médicos Rogério Tuma e Edson Stefanini".
EM 1953 NA SELEÇÃO, GYLMAR AO LADO DE BARBOSA E CASTILHO
Carreira vitoriosa
Nascido em Santos, o ex-jogador iniciou sua trajetória no Jabaquara e logo se transferiu para o Corinthians, clube que defendeu entre 1951 e 1961. No período, conquistou três edições do Campeonato Paulista e dois Torneior Rio-São Paulo. Em alta no Parque São Jorge, Gylmar retornou para a Baixada Santista em 1962, quando acertou com o Santos e fez parte da equipe que encantou o mundo ao lado de Pelé e companhia.
Pelo Peixe, foi titular e peça importante no bicampeonato da Libertadores e do Mundial Interclubes, nos anos de 1962 e 1963. Além destes trofeus, o ex-goleiro venceu também o Campeonato Paulista (1962, 1964, 1965, 1967 e 1968), o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1968), a Taça Brasil (1961, 1962, 1963, 1964 e 1965), o Torneio Rio-São Paulo (1963, 1964 e 1966) e a Recopa dos Campeões Mundiais (1968).

Comentários