FUTEBOL BRASILEIRO: Acusados de corrupção, vice-presidente da CBF e outros dirigentes da Fifa são presos.

EX-PRESIDENTE DA CBF JOSÉ MARIA MARIM/FOTO INTERNET
ZURIQUE - O ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol -CBF José Maria Marim e mais nove dirigentes da Fifa foram presos na manhã desta quarta-feira (27/5), em Zurique, na Suíça. As prisões foram realizadas a pedido da justiça Norte-Americana sob a acusação de corrupção na entidade envolvendo Marketing, venda de direitos de transmissão de eventos e escolha da sede da Copa do Mundo. Os suspeito poderão ser extraditados para os Estados Unidos.

O Departamento Federal de Justiça suíço informou que está questionando os dirigentes sobre a votação para escolha das sedes das Copas de 2018 e 2022.

Delegados de quase todas federações de futebol estão em Zurique para o congresso da FIFA marcado para esta sexta-feira - no qual Joseph Blatter tentaria buscar  seu quinto mandato como presidente da entidade. O porta-voz da FIFA, Walter de Gregorio, disse que Blatter não está entre os acusados.


Segundo o jornal New York Times as acusações são baseadas numa investigação feita pelo FBI que iniciou em 2011 apontam corrupção generalizada na FIFA nos últimos anos, que somam 150 milhões em território norte-americano. Por isso, o FBI conduziu as investigações.

Além de Marin, também foram detidos: Jeffrey Webb (Ilhas Cayman), vice-presidente da comissão executiva e presidente da Concacaf; Eugenio Figueredo (Uruguai), que presidiu a Conmebol; Jack Warner (Trinidad e Tobago), ex-vice-presidente da Fifa e ex-presidente da Concacaf; Julio Rocha (Nicarágua), presidente da Federação Nicaraguense; Costas Takkas; Rafael Esquivel; Nicolás Leoz, ex-presidente da Conmebol; e Eduardo Li, presidente da Federação da Costa Rica. 


O diretor de comunicações da Fifa Walter de Gregório, afirmou em coletiva na manhã desta quarta-feira (27/5), que Joseph Blatter (presidente da Fifa) e Jerome Walcke (Secretário Geral da Entidade) não estão envolvidos no caso.



Comentários