FUTEBOL BRASILEIRO: ex-presidente do Grêmio, Fábio Koff, morre de infecção generalizada


Parte inferior do formulário
KOFF ESTEVE NOS TÍTULOS DA LIBERTADORES DE 83, 95 E NO MUNDIAL DE 83
PORTO ALEGRE - Na manhã desta quinta-feira (10/5) , o azul que predominava no céu do Rio Grande do Sul perdeu um pouco de tom. Mas a cor não poderia ter sido mais representativa diante da perda gremista. Logo no início da manhã, o clube confirmou a morte de Fábio Koff, aos 86 anos, um dos presidentes mais vitoriosos da história tricolor. Internado há uma semana no Hospital Moinhos de Vento, ele não resistiu a um quadro de infecção generalizada. O velório ocorre ao longo do dia, na Arena. O corpo será cremado na manhã de sexta.
Koff foi presidente do Grêmio em três momentos: primeiro, em 1982, sendo o mandatário no título da Libertadores e do Mundial no ano seguinte. Em sua segunda passagem, após se recuperar de um câncer, comandou o clube entre 1993 e 1996, com Luiz Felipe Scolari como técnico. Foi campeão da Libertadores novamente, do Campeonato Brasileiro, da Copa do Brasil e da Recopa Sul-Americana, além de taças estaduais.
A terceira passagem se iniciou em 2013, após derrotar Paulo Odone nas eleições. Desta vez, não conquistou títulos. Sua maior bandeira foi a renegociação do contrato com a OAS, empreiteira que construiu a Arena. Contratou quatro treinadores - Vanderlei Luxemburgo, Renato Gaúcho, Enderson Moreira e Felipão. Este último só foi convencido a retornar ao Tricolor após o desastre na Copa do Mundo por um pacto de lealdade com Koff.
Também foi o presidente do Clube dos 13 a partir de 1997 - uma instituição criada para defender o interesse dos clubes. Permaneceu até a dissolução da entidade, em 2011, por conta de divergências de algumas equipes pelo conceito de venda de direitos de transmissão do Brasileirão. 

Comentários